Curta!

Os Silenciados - J. R. Ramos

10 maio 2021

 Olá, viajantes!

A resenha de hoje traz para vocês um enredo de suspense e ação capaz de prender o fôlego: Os Silenciados, de J. R. Ramos, foi publicado pela Skull Editora e traz um mistério envolvendo três amigos e um acontecimento marcante!
 
 
TÍTULO: Os Silenciados
AUTOR: J. R. Ramos
EDITORA: Skull Editora
NÚMERO DE PÁGINAS: 220 páginas
ANO DE PUBLICAÇÃO: 2019
SINOPSE: Uma festa de Halloween acaba da pior maneira possível, quando um incidente de bullying quase tira a vida de um jovem socialmente excluído, deixando também sua namorada — igualmente rejeitada — psicologicamente instável. Algum tempo depois, homicídios estranhos e diretamente relacionados aos envolvidos começam a acontecer. É quando Sam, Charlie e Emma, que estiveram lá, questionam se os crimes são seriam, na realidade, um ato de vingança; ao mesmo tempo em que idealizam os possíveis suspeitos. O relutante trio se vê num jogo de perseguição perigoso, desejando descobrir, à qualquer custo, a real identidade do assassino — que tornou-se conhecido como O Silenciador. Enquanto o tempo avança, o menor dos deslizes pode ser fatal, segredos obscuros estão vindo à tona, e mais sangue inocente é derramado.
 
Sam (ou Sabrina) é uma garota de 18 anos que possui uma relação conturbada com sua mãe e, para construir um futuro longe dessa questão, trabalha como garçonete em uma lanchonete próxima da sua casa. Para se divertir, Sam sai com sua melhor amiga Emma e seu namorado, aspirante a fotógrafo, Charlie. No entanto, uma das festas de Halloween para a qual os amigos vão não termina bem: um garoto é humilhado e ferido, o que faz sua parceira perder a sanidade. Todo esse contexto marca em definitivo a memória de Sam: as lembranças ruins vêm à tona quando um assassino, conhecido como O Silenciador, passa a assolar a cidade e a vida da garota. Agora, os jovens precisam encaixar as peças desse quebra-cabeças para tentar evitar uma tragédia ainda maior.
 
O enredo de Os Silenciados é bastante nostálgico para mim porque me lembra todos os filmes trashs de terror adolescente que vi nos anos 2000, como a franquia Pânico. A presença de adolescentes, a perseguição, os assassinatos, as máscaras e o suspense são elementos encontrados nessas produções cinematográficas que também podem ser vistos na trama criada por J. R. Ramos. Só esse fato já me conquistaria de cara! Mas, além disso, o autor conseguiu construir uma narrativa envolvente, que deixa o leitor curioso até o final. Grande parte desse sucesso na elaboração da história se deve às descrições dos cenários e das situações que permeiam a obra: elas são precisas e são responsáveis por inserir o leitor dentro das páginas do livro.
 
Uma das partes mais positivas do título para mim foi a abordagem de assuntos bastante atuais e relevantes, como o bullying. Mais do que apenas falar sobre o tema, o escritor consegue demonstrar as consequências de determinadas ações e o quanto alguns episódios podem influenciar em definitivo a vida de todos. Nesse sentido, acredito que os assassinatos devem ser encarados como elementos simbólicos, que ressaltam a crueldade por trás de atitudes disfarçadas de brincadeiras inocentes e sem nenhuma intenção de ferir. Ao mesmo tempo, o livro destaca a adolescência como uma fase de construção da identidade, o que enfatiza a importância das relações sociais que se cristalizam nessa etapa da vida e o grande peso das diferenças impostas entre os sujeitos. A inserção de temáticas desse tipo resultam em cenas um tanto quanto pesadas e violentas, não apenas física, mas também psicológica e moral. Em alguns momentos da história, inclusive, precisei parar a leitura e respirar um pouco, para só então voltar à leitura.
 
Os Silenciados é uma obra narrada em primeira pessoa, a partir da visão de Sam. Com isso, nós possuímos uma perspectiva parcial e limitada das situações e das personagens. Até certo ponto, isso pode ser considerado um aspecto negativo, uma vez que impede o leitor de compreender o enredo como um todo e tirar suas próprias conclusões (afinal, todas as nossas opiniões sofrerão interferência dos detalhes que Sam dá ao longo da narrativa). Por outro lado, essa escolha autoral é uma das responsáveis por manter o suspense durante a trama: à medida que conhecemos os episódios e descobrimos pormenores importantes junto com as personagens, somos surpreendidos com o rumo dos acontecimentos e ficamos ansiosos para a finalização da história.
 
No que se refere às personagens, confesso que não consegui me apegar a nenhuma delas. Primeiro porque não acho que elas foram construídas da forma correta: no meu ponto de vista, apesar do reduzido número de protagonistas, a elaboração destes foi um tanto vaga. Isso significa que não encontrei profundidade na personalidade das personagens, o que acabou por impedir minha imediata conexão com elas. Em segundo lugar, vale destacar que os diálogos ao longo da narrativa me pareceram um tanto superficiais: as problemáticas tratadas nessas conversas foram um tanto quanto fúteis na minha opinião, o que é compreensível se levarmos em consideração a faixa etária das personagens. Afinal, quem já passou pela adolescência sabe que qualquer coisa parece o fim do mundo nessa fase! Ainda assim, os traços particulares de cada protagonista ficaram um pouco rasos para mim.
 
O ritmo acelerado do enredo contribuiu bastante para criar a ação exigida pelo gênero terror. Nesse ponto, acredito que foi uma decisão acertada do autor. No entanto, em alguns momentos, eu realmente esperava mais detalhes da trama, principalmente no que diz respeito ao desfecho. A finalização da história me pareceu rápida demais, o que me deixou com gostinho de quero mais. Gostaria de conhecer melhor os acontecimentos que levaram aos crimes e também adoraria uma maior centralização na figura do assassino, seu modus operandi e suas motivações para a escolha das vítimas, que são entendidas apenas de maneira implícita. Além disso, alguns personagens são apresentados muito depressa, o que acaba por excluir qualquer chance de conhecê-los melhor.
 
Por fim, preciso ressaltar o trabalho da editora na publicação do livro. Eu adorei a capa e foi ela quem realmente me incentivou à leitura, antes mesmo da sinopse. Acredito que ela reúne muitos elementos cruciais e relevantes para a narrativa e, portanto, tem tudo a ver com o enredo. Os Silenciados foi uma leitura fluida para mim e eu adorei voltar aos clichês do terror que tanto amo! Através da aventura perigosa vivida por Sam, Emma e Charlie eu pude sentir novamente a tensão típica dos meus filmes preferidos. Por isso, o livro deixou meu coração acelerado e quentinho, ao mesmo tempo (por mais estranho que isso pareça nesse contexto rs). Recomendo a leitura para todos aqueles que curtem uma trama repleta de suspense, que vai te fazer questionar suas próprias atitudes perante determinadas situações. No fim de tudo, acho que essa é justamente a intenção da literatura: nos fazer refletir através das palavras. O mais legal de tudo isso é que vocês podem conferir essa história em primeira mão adquirindo seu exemplar do livro na Amazon, nesse link aqui. Mas não esqueçam: tomem cuidado ao adentrar essas páginas, o assassino pode estar onde você menos imagina! Até a próxima postagem, viajantes!

Nenhum comentário:

Postar um comentário