[RESENHA] P. S. Eu te amo - Cecelia Ahern

Hey, pessoas!

Hoje é dia de resenha, e dessa vez eu trouxe para vocês um livro que eu estava doida para ler, principalmente depois de ver a adaptação cinematográfica dele. Com muito romance e emoção, confiram o que achei de P. S. Eu te amo, de Cecelia Ahern.



TÍTULO: P. S. Eu te amo
AUTOR: Cecelia Ahern
EDITORA: Novo Conceito
NÚMERO DE PÁGINAS: 365 páginas
AVALIAÇÃO: 
SINOPSE: Algumas pessoas esperam a vida inteira para encontrar sua alma gêmea. Mas essa não é o caso de Holly e Gerry. Eles eram amigos de infância, portanto conseguiam saber o que o outro estava pensando e, até quando brigavam, eles se divertiam. Ninguém conseguia imaginá-los separados. Até que o inesperado acontece e Gerry morre, deixando-a devastada. Conforme seu aniversário de 30 anos se aproxima, Holly descobre um pacote de cartas na qual Gerry, gentilmente, escreveu uma carta para cada mês da nova vida dela sem ele. Com a ajuda de seus amigos e de sua família barulhenta e carinhosa, Holly consegue rir, chorar, cantar, dançar, e ser mais corajosa do que nunca.


Holly tinha a vida que praticamente todos nós sonhamos: amigos fiéis, pais compreensivos, irmãos companheiros, um apartamento, e um marido perfeito. Ela vivia seu próprio conto de fadas, e imaginava não ser possível ser mais feliz. Infelizmente, a vida gosta de nos pregar peças, e com Holly não foi diferente. Depois de sete anos juntos, de muitas risadas e promessas trocadas, ela descobre que seu marido está morrendo, devido a um tumor no cérebro. Agora sua vida se resume a cuidar dele em tempo integral, esperando ansiosamente por um milagre.

Para tristeza de Holly, o milagre não chega, e Gerry acaba morrendo. A vida da moça muda completamente, e ela não mais se sente forte o suficiente para seguir em frente sem seu grande amor desde a infância. Então ela se fecha em seu mundo, e espera pacientemente até que seu dia chegue. Porém, Gerry tinha outros planos para ela.



Conforme seu aniversário de trinta anos se aproxima, Holly descobre um pacote, contendo cartas de Gerry para cada mês da sua nova vida sem ele. Nessas cartas ele dizia como deviam ser seus dias a partir de sua morte, e a encorajava a ser forte e seguir sua vida. As instruções eram claras, e Holly se viu surpresa por ele realmente ter cumprido a promessa de guiar sua rotina caso um dia viesse a faltar. Agora ela vivia de acordo com o que Gerry havia escrito, e aos poucos percebeu que estava finalmente colocando tudo novamente nos eixos. Reaproximou-se de seus amigos e familiares, permitiu-se diversões, e até mesmo arranjou um emprego que conseguiu amar. Ela ainda sentia falta de Gerry, mas era grata a ele por a ter ajudado, mesmo de longe. Com a ajuda de todos os seus entes queridos, ela conseguiu se reerguer, e viu que existia uma vida para ela depois da morte de seu marido.

O livro é narrado em terceira pessoa, e intercala a vida atual de Holly com flashes do que ela viveu com Gerry. No início achei um pouco confusa essa organização, mas depois que acostumei-me com ela passei até a achá-la interessante. Fica claro o quanto a vida de Holly girava em torno de sua relação com Gerry, tanto que ela fica sem chão quando o perde. Eu realmente estava ansiosa para ler o livro depois de ver a sua adaptação para o cinema, e pensei que ia me emocionar mais do que aconteceu. Infelizmente, as emoções não vieram. Eu não consegui simpatizar com Holly, ela foi a personagem mais infantil e egoísta com que me deparei até então. É claro que perder alguém que amamos não é nada fácil, e é lógico que você sofre muito com isso, mas em várias passagens do livro eu via uma Holly invejosa e rancorosa, que pensava que ninguém mais além dela sentia falta de Gerry, o que, confesso, me deixou um pouco irada com ela.


Admito, óbvio, que Gerry era realmente o cara que todas nós queríamos ter ao lado: em vida, era compreensivo e divertido, sempre fazendo sua amada rir, independente da situação. E mesmo depois de sua morte se fez presente e conseguiu mudar a vida de Holly. Foi a personagem pela qual mais me apeguei no livro, e logo de cara sofri por saber que ele não participaria efetivamente da história. Mas confesso que sua participação indireta fez toda a diferença para que eu não desistisse do livro nos momentos em que dava vontade de bater na cara de Holly.

A história é linda, e a ideia central do livro é super interessante. Adorei o episódio do pacote de cartas, das instruções, gostei de tudo, porém acho que a autora poderia ter focado menos nos dramas e lamentações de Holly, para que a leitura não se tornasse tão cansativa. Penso que há exageros nos detalhes de episódios que não fazem tanta diferença para a trama, e isso me deixou um pouco entediada também. Mesmo assim, cheguei ao fim do livro envolvida na história, e confesso que fiquei um tanto decepcionada com o desfecho da relação entre Holly e seu suposto amigo Daniel.


A autora usa uma linguagem fluida e de fácil compreensão, o que torna a leitura mais agradável. Achei muito fofos os episódios entre Holly e Gerry, e consigo entender porque a mocinha sofre tanto, mas, como disse antes, ela vive com pena de si mesma, e acha que todos devem vê-la como um mártir, e eu não acredito que isso fosse necessário. Gerry tinha muitos amigos, e era amado por todos eles, então não apenas Holly está sentindo sua falta, e acredito que ela não perceba isso.

Quanto a diagramação, achei os detalhes nos títulos dos capítulos maravilhosos, e penso que eles influenciam diretamente na aura romântica que o livro emite por natureza. A letra é mediana e não cansa a leitura, e os capítulos são curtos, o que possibilita uma maior fluidez para a história. As páginas são demarcadas pelo número correspondente a cada um, seguido por um coração pequeno logo abaixo desse número, e, como sou uma romântica assumida, amei esse detalhe. O livro é relativamente longo, mas eu não senti dificuldade em chegar ao seu final, apesar de a protagonista ter me incomodado visivelmente em vários trechos do livro. Independente disso, achei a história fofíssima, e consegui adentrá-la e vivê-la com suas personagens. Por criar expectativas com base no filme, creio que entrei na leitura esperando muito dela, e, apesar de não ter correspondido totalmente às minhas expectativas, também teve seus pontos altos.


Recomendo o livro para todos aqueles que, assim como eu, gostam de histórias que te fazem pensar sobre a efemeridade da vida e do quanto cada momento precisa ser aproveitado até o último minuto. A trama é romântica e gostosa de descobrir, e acredito que vocês vão gostar bastante, apesar de achar que o livro exige uma certa paciência por parte do leitor.

Espero que tenham gostado da resenha, e, se por ventura resolverem ler o livro ou ver o filme (de mesmo nome, ok, gente?), venham correndo me contar o que acharam. Até a próxima postagem!

Beijos 

0 comentários:

Deixe seu comentário