Curta!

[RESENHA] Ela vem à noite - Pablo G. D. Carvalho

23 julho 2019

Olá, viajantes!

O bloguinho está entrando em uma nova fase. Como vocês puderam perceber, a gente mudou o layout, e agora estamos tentando organizar a rotina de postagens por aqui. Vamos procurar ao máximo ficar mais presentes e trazer novidades sempre bacanas pra vocês curtirem. A primeira delas é a resenha de hoje. O livro, recebido em parceria com o autor Pablo G. D. Carvalho, se chama Ela vem à noite, e convida nossos viajantes a desvendar mistérios escondidos em uma cidade pacata qualquer. Vamos com a gente nessa viagem?


TÍTULO: Ela vem à noite
AUTOR: Pablo G. D. Carvalho
EDITORA: Chiado Books
NÚMERO DE PÁGINAS: 250 páginas
ANO DE LANÇAMENTO: 2018
SKOOB
SINOPSE: Nada nunca acontecia em Vale Velho, mas quando acontecia nunca era uma coisa boa. Michel, um garoto problemático e rebelde, sabia disso e odiava a cidade onde nasceu e cresceu. Passava os dias lentos da cidade e as suas surpresas desagradáveis com pequenas distrações e na companhia de seus amigos, que pouco a pouco iam embora para outros lugares. Mas sua vida muda quando sem querer ele se envolve em uma série de crimes estranhos e uma garota misteriosa se muda para a casa ao lado.

Esse livro chegou até o blog através de um convite do próprio autor, que entrou em contato para apresentar sua história e saber do meu interesse em conhecê-la. Depois de ler a sinopse, confesso que não tive como dizer não. Fiquei intrigada com a história desde o título e curiosa para saber como se desenrolaria. E que bom que eu aceitei o convite do Pablo, porque esse livro, viajantes, foi uma grata surpresa!


Logo de início, o leitor é apresentado à pacata cidade de Vale Velho, onde vive uma das personagens principais dessa história: Michel. Jovem e entediado com o rumo de sua própria vida naquele lugar ermo e longe do mundo, o garoto expressa sua rebeldia em quase todas as ocasiões, inclusive na relação com seu pai, um policial local. Seus amigos Babi, Stephanie e Daniel são os únicos com quem o menino realmente se entende. E é com eles que Michel vai embarcar na maior aventura de sua vida: em um passeio, os jovens acabam mergulhando de cabeça em uma trama de assassinatos inexplicáveis e ainda sem solução. Ao mesmo tempo, misteriosos desaparecimentos começam a ocorrer na cidade, justo quando uma estranha garota se muda para a casa ao lado de Michel. Uma garota que consegue mexer com os sentimentos de Michel.

A trama de Ela vem à noite foi uma das coisas que mais me chamou atenção desde o início. Adoro o gênero policial e, apesar de esse livro não poder ser enquadrado em uma só "caixinha", acredito que a investigação e o suspense sejam elementos bastante presentes e importantes dentro dele. Isso por si só já tem a capacidade de deixar o leitor roendo as unhas de curiosidade. Aliado à fluidez que o autor consegue dar à história, as 250 páginas do título parecem voar: eu li o livro em menos de dois dias (ainda que a resenha esteja saindo só agora) simplesmente porque não conseguia largar o enredo sem saber o final dessas personagens e de todas as situações em que elas se metem, meio sem querer. Na minha opinião, esse é um dos pontos fortes do livro: o público se vê tão enredado pela sua trama, tão envolvido com os eventos, que a leitura é um processo fácil e natural.

Outro ponto que merece destaque é a construção das personagens, principalmente da relação que elas estabelecem entre si. Eu fiquei muito contente em perceber que o autor soube realmente dosar seu elenco de personagens: não existe aqui uma figura que entre na história sem uma função ou lógica. Todas as personagens, protagonistas e secundárias, cumprem um papel dentro da história, e ele fica bastante claro ao leitor ao longo das páginas. Isso é muito importante porque evita a confusão que um grande número de figuras pode gerar, além de mostrar ao leitor que o escritor realmente sabe onde quer chegar e qual o rumo que a história tomará.

Michel pode ser considerado o real protagonista desse enredo, mas confesso que ele foi uma das personagens às quais eu menos consegui me apegar. Para mim, o garoto é quase um rebelde sem causa. Alguns dos conflitos do menino são explicitados ao leitor durante a trama, mas eu não consegui acreditar totalmente que eles justificassem as atitudes grosseiras da personagem, principalmente com relação ao seu próprio pai. Definitivamente entendo a complexidade das conexões estabelecidas entre um pai e um filho adolescentes, ainda mais com as circunstâncias atenuantes que temos aqui, mas ainda assim acho Michel rude e até agressivo em vários momentos. Aliás, a agressividade é um problema que esse garoto precisa urgentemente aprender a controlar, porque ela não é voltada apenas à figura paterna, mas também à vida do menino fora de sua casa. Preciso reconhecer que, ao longo da trama, ele realmente consegue sair da sua bolha de rebeldia e amadurecer um pouco, mas acho que eu já tinha pulgas atrás da orelha com ele, e vocês sabem que é difícil modificar essa situação. Depois que o ranço se instala, meus amigos...

Minhas personagens preferidas foram, na verdade, as secundárias. Os amigos de Michel, Babi, Daniel e Stephanie, me renderam altos momentos de risos durante o livro. Me identifiquei na hora com todos eles, porque cada um tem um traço com o qual o leitor consegue simpatizar: Babi é espontânea e divertida, com ela não tem tempo ruim e ela sempre consegue tirar um sorriso de todo mundo, ao mesmo tempo que não tem medo de falar a verdade quando necessário (#teamBabi aqui); Daniel é um pouco mais comportado, mas ainda assim é engraçado e falante; os dois são o oposto de Stephanie, que é bastante tímida e meiga, uma fofura só. Fiquei muito emocionada com a amizade do grupo, confesso, eles têm uma ligação muito forte entre si, estão sempre apoiando, ajudando e aconselhando um ao outro, independente da situação. A relação de amizade que a trama apresenta é uma das lições que, com certeza, o leitor pode levar do livro para a vida.

Lizzie é a vizinha misteriosa que mexe com o coração do nosso (anti) herói. E é também a personagem que eu mais detestei na trama. Além de não termos muitas informações sobre ela, a garota me pareceu forçada demais: engraçada demais, irônica demais, sarcástica demais, perfeita demais. Claro que isso pode ter relação com a visão que Michel tem da menina, mas ainda assim eu não consegui criar empatia com ela. A personalidade que o leitor consegue entrever de Lizzie é a de uma jovem que sabe manipular outras pessoas com o intuito de conseguir o que quer, e isso acabou me deixando com um pé atrás durante todo o livro. Além disso, a relação entre ela e Michel não me pareceu verossímil em momento nenhum e eu nem sequer consegui torcer para que tudo desse certo entre os dois. Foi mal, Lizzie, mas acho que nosso santo realmente não bateu!

Outro ponto que eu acredito ser importante destacar no livro é a fusão entre diversos gêneros que ele apresenta. Como eu já disse, o policial é o predominante aqui, mas o suspense, o romance e até mesmo o terror também estão presentes, mesmo que em doses menores. O sobrenatural e a fantasia também são aspectos indispensáveis à construção da história, e eu acredito realmente que foi essa mistura tão variada que fez com que eu curtisse tanto a leitura. O livro não fica monótono em momento algum, os episódios acontecem sucessivamente e, ao mesmo tempo, não tão rápidos, no ritmo certo para que o leitor consiga acompanhar as revelações e reviravoltas (que são muitas) sem sentir que a história caiu de densidade e complexidade. O autor definitivamente acertou o tom com esse livro!

Com relação à escrita, Pablo consegue transcrever para o papel as cenas, com descrições bastante específicas, apesar de não muito detalhadas. Vale lembrar que a construção psicológica das personagens não é exatamente o foco, então não espere grandes explorações nesse sentido. Gostaria, caso haja uma continuação, de conhecer um pouco mais da história da cidade (não acreditei totalmente nessa história de "nada acontece por aqui", não) e da própria Lizzie. Quem sabe assim, finalmente, eu consiga entender a personagem e me aproximar um pouco mais dela. Afinal, todo mundo merece uma segunda chance, não é, até mesmo as personagens fictícias.

Se você, viajante, gosta de um bom mistério e não resiste a uma investigação intrigante, esse livro é um prato cheio! Conhecer Vale Velho, afinal, não se mostrou tão monótono quanto Michel fez parecer. Até a próxima postagem!

4 comentários:

  1. Excelente livro fiquei entretido do início ao fim, o Michel tem altos e baixos em meu coração porém estou contigo no #teambabi, acho que o livro tem tudo para virar uma série produção 100% brasileira, acho que nossa TV carece de tramas assim, um pouco diferentes do padrão de Drama, Comédia "Global" e Policiais e bandidos na Favela.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Gui!
      A leitura também foi excelente pra mim, só o Michel e a Lizzie não conseguiram me conquistar por completo ainda rs
      Mas acho que a produção do livro seria incrível, vários elementos da história são passíveis disso!

      Excluir
  2. At first glance, it can be thought of as a women's high jewelery watch with a dial filled with flower motifs and a tourbillon.replica watches uk But this watch hides some interesting technology that embodies Graf's brilliant ideas.fake watches uk At 8 o'clock, 9 o'clock and 12 o'clock, a flower motif in a small circle rotates an automaton watch. In addition, each flower is carved delicately and painted with enamel individually by artisan's hands, so there's nothing identical for each product. Mother of pearl dials are used, and bezels and rugs are paved with high-quality white diamonds from Graf Diamonds.

    ResponderExcluir
  3. Los relojes ciertamente han rendido homenaje a la NASA antes, incluida una reciente edición limitada popular de Unimatic,replicas de relojes pero cuando se trata del G-Shock, hay una conexión espiritual e ideológica que no estoy seguro de que otros relojes puedan llevar a cabo de la misma manera. Es un emparejamiento que realmente tiene sentido. En los últimos tiempos,replicas relojes el sector privado ha desempeñado un papel más importante al empujar los límites de la exploración espacial y ha desviado la atención de la NASA (aunque debe tenerse en cuenta que la NASA ha permitido que el sector privado prolifere. Son el cliente más importante para estos empresas en ciernes). Aunque ya no hay un programa emblemático o una nave espacial icónica frente al público,replicas rolex la NASA aún ha logrado capturar la imaginación del público y mantenerse culturalmente relevante.

    ResponderExcluir