[POST ESPECIAL] Livros sobre Auschwitz

Hey, pessoas!

Hoje fazem 70 anos que os últimos prisioneiros foram libertados de Auschwitz, o maior campo de concentração nazista. Mesmo depois de todo este tempo, o campo ainda é lembrado como palco de uma das maiores atrocidades já sofridas (e praticadas, infelizmente) pela humanidade. A memória de Auschwitz está viva em muitas obras de nossa literatura atual, e nessa ocasião especial, em que comemoramos uma vitória na luta diária contra a crueldade e a ignorância, o blog não podia deixar de lembrar alguns dos muitos títulos que nos recordam os sentimentos e consequências desta época devastadora. São relatos emocionantes, e que com certeza te tocarão de alguma forma. Não há como sair destes livros ilesos, eles nos mudam.

1. O Menino do Pijama Listrado (John Boyne)



SINOPSE: Bruno tem nove anos e não sabe nada sobre o Holocausto e a Solução Final contra os judeus. Também não faz ideia que seu país está em guerra com boa parte da Europa, e muito menos que sua família está envolvida no conflito. Na verdade, Bruno sabe apenas que foi obrigado a abandonar a espaçosa casa em que vivia em Berlim e a mudar-se para uma região desolada, onde ele não tem ninguém para brincar nem nada para fazer. Da janela do quarto, Bruno pode ver uma cerca, e para além dela centenas de pessoas de pijama, que sempre o deixam com frio na barriga. Em uma de suas andanças Bruno conhece Shmuel, um garoto do outro lado da cerca que curiosamente nasceu no mesmo dia que ele. Conforme a amizade dos dois se intensifica, Bruno vai aos poucos tentando elucidar o mistério que ronda as atividades de seu pai. O Menino do Pijama Listrado é uma fábula sobre amizade em tempos de guerra, e sobre o que acontece quando a inocência é colocada diante de um monstro terrível e inimaginável.

2. O Homem que Venceu Auschwitz (Denis Avey e Rob Broomby)


SINOPSE: O livro conta a extraordinária história real um soldado britânico que se infiltrou no campo de concentração de Auschwitz. No verão de 1944, Denis Avey trabalhava num campo de prisioneiros de guerra próximo ao campo de concentração de Buna-Monowitz, conhecido como Auschwitz III. Já tinha ouvido falar da brutalidade no tratamento dos prisioneiros de lá e estava determinado a testemunhar o que podia. Traçou, então, um plano para trocar de lugar com um prisioneiro judeu e infiltrou-se no campo de concentração, onde foi a testemunha ocular da barbárie que lá ocorria. Durante muitas décadas, Avey não se sentiu preparado para relatar a experiência do passado, porém agora, aos 91 anos, revela em seu livro tudo o que presenciou. O homem que venceu Auschwitz está desde seu lançamento na lista dos mais vendidos britânica. 

3. A Bibliotecária de Auschwitz (Antonio G. Iturbe)


SINOPSE: Um emocionante romance baseado na história verídica de uma jovem checa, a bibliotecária do Bloco 31, de Auschitwz – Dita Dorachova - com quem o autor teve oportunidade de falar e que resgata do esquecimento uma das mais comoventes histórias de heroísmo cultural. Auschwitz-Birkenau, o campo do horror, infernal, o mais mortífero e implacável. O Bloco 31 tinha 500 crianças, e neste lugar onde os livros eram proibidos, a jovem Dita escondia todas as noites os frágeis oito volumes da biblioteca mais pequena, recôndita e clandestina que jamais existiu. No meio do horror, Dita dá-nos uma maravilhosa lição de coragem: não se rende e nunca perde a vontade de viver nem de ler porque, mesmo naquele terrível campo de extermínio nazi, abrir um livro é como entrar para um comboio que nos leva de férias. Um livro diferente de tudo o que já leu sobre o Holocausto e de que poucos têm conhecimento. Pela primeira vez ficamos a saber da existência de livros num campo de extermínio. Minuciosamente documentado, e tendo como base o testemunho de Dita Dorachova, a jovem bibliotecária checa do Bloco 31, este livro conta a história inacreditável, mas verídica, de uma jovem de 14 anos que arriscou a vida para manter viva a magia dos livro, ao esconder dos nazis durante anos a sua pequena biblioteca, de apenas oito volumes, no campo de extermínio de Auschwitz. Este livro é uma homenagem a Dita, com quem o autor tanto aprendeu, e à memória e valentia de Fredy Hirsh, o infatigável instrutor judeu do Bloco 31 que criou em segredo uma pequena escola e uma ainda mais minúscula biblioteca, apenas com oito livros.

4. Depois de Auschwitz (Eva Schloss)



SINOPSE: Em seu aniversário de quinze anos, Eva é enviada para Auschwitz. Sua sobrevivência depende da sorte, da sua própria determinação e do amor de sua mãe, Fritzi. Quando Auschwitz é extinto, mãe e filha iniciam a longa jornada de volta para casa. Elas procuram desesperadamente pelo pai e pelo irmão de Eva, de quem haviam se separado. A notícia veio alguns meses depois: tragicamente, os dois foram mortos. Este é um depoimento honesto e doloroso de uma pessoa que sobreviveu ao Holocausto. As lembranças e descrições de Eva são sensíveis e vívidas, e seu relato traz o horror para tão perto quanto poderia estar. Mas também traz a luta de Eva para viver carregando o peso de seu terrível passado, ao mesmo tempo em que inspira e motiva pessoas com sua mensagem de perseverança e de respeito ao próximo – e ainda dá continuidade ao trabalho de seu padrasto Otto, pai de Anne Frank, garantindo que o legado de Anne nunca seja esquecido.

5. Maus (Art Spiegelman)

maus

SINOPSE: Maus é a história do pai de Art Spiegelman, sobrevivente de Auschwitz. Judeus poloneses, Vladek e sua mulher Anja fizeram de tudo para não serem despachados para o campo de concentração: se mudaram para a Tchecoslováquia, moraram em bunkers, enviaram um filho para ser criado por uma prima (que depois seria morto), foram parar em guetos, fizeram trabalhos forçados. Mas acabaram separados – e quase foram executados. Ambos sobreviveram, mas os traumas foram indeléveis: Vladek ficou obsessivo em colecionar e economizar tudo que podia (afinal, nunca se sabe quando o horror pode se instalar novamente) e Anja se matou quando Art tinha 20 anos. Foi para espantar seus fantasmas pessoas que Spiegelman criou essa HQ, um relato assombroso.

6. Uma Criança de Sorte (Thomas Buergenthal)


SINOPSE: Muito já foi escrito sobre os horrores do Holocausto, mas não há história mais emocionante que a de Thomas Buergenthal em Uma criança de sorte. À primeira vista, parece não existir sorte alguma em sua vida: ainda não tinha seis anos quando ele e seus pais foram obrigados a viver num gueto na Polônia e, em 1944, aos dez anos, foi enviado a Auschwitz com sua família.  Após ser separado dos pais, o pequeno Thomas, forte e esperto, trabalha para escapar da morte nas câmaras de gás, e assim consegue resistir à tragédia que assolou o mais conhecido campo de concentração da Segunda Guerra Mundial. Quase um ano depois de sua chegada a Auschwitz e de sobreviver à Marcha da Morte e a Sachsenhausen — outro campo de concentração sob o comando da guarda alemã —, onde sofreu severamente com a fome e o frio, Thomas afinal estava livre... e sozinho. Thomas Buergenthal relata, nesta autobiografia traduzida para mais de dez idiomas, todos os incríveis detalhes de uma história comovente, para que o Holocausto seja finalmente compreendido “através dos olhos daqueles que sobreviveram a ele”.

7. O Voluntário de Auschwitz (Capitão Witold Pilecki)


SINOPSE: Witold Pilecki, capitão do Exército do Estado clandestino polaco, fez algo que mais ninguém teve a coragem de repetir: voluntariar-se para ser preso em Auschwitz, o mais violento e mortífero campo de concentração nazi, e, dessa forma, relatar os horrores ali praticados pelo Terceiro Reich. A missão, realizada entre 1940 e 1943, tinha dois objetivos: informar os Aliados sobre as práticas nazis nos seus campos de concentração, dos quais se conheciam, então, apenas algumas informações esparsas, mas muito preocupantes; e organizar os prisioneiros em grupos de resistência contra as forças alemãs, na tentativa de controlar o campo. Sobrevivendo a muito custo a quase três anos de fome, doença e brutalidade, Pilecki foi bem-sucedido na sua missão, conseguindo evadir-se do campo de concentração em abril de 1943. "O Voluntário de Auschwitz2 é o relatório mais extenso do capitão Witold Pilecki, completado em 1945, no exílio. Escondido pela ditadura comunista na Polónia durante mais de 40 anos, este documento único na história e na literatura sobre Auschwitz, a Segunda Guerra Mundial e o Holocausto é agora publicado pela primeira vez em português.

8. O Diário de Anne Frank (Anne Frank)

O Diário de Anne Frank

SINOPSE: "12 de junho de 1942 - 1° de agosto de 1944. Ao longo deste período, a jovem Anne Frank escreveu em seu diário toda a tensão que a família Frank sofreu durante a Segunda Guerra Mundial. Ao fim de muitos dias de silêncio e medo aterrorizante, eles foram descobertos pelos nazistas e deportados para campos de concentração. Anne inicialmente seguiu para Auschwitz e mais tarde para Bergen-Belsen."

É isso por hoje, galera, espero que vocês possam ler os livros, com certeza as histórias são dignas de leitura. Comoventes e reais, não há como não se envolver com elas. Me contem nos comentários se já conhecem algum dos títulos citados. Até a próxima postagem!

Beijos 

0 comentários:

Deixe seu comentário