[RESENHA DUPLA] Julieta Imortal / Romeu Imortal - Stacey Jay

Hey, pessoas!

Hoje é dia de resenha, e como os livros da vez são muito especiais, resolvi fazer isso de uma forma diferente: a resenha será dupla! Isso mesmo: minhas impressões sobre dois livros em uma só resenha! Espero realmente que vocês gostem. Os escolhidos são Julieta Imortal e Romeu Imortal, série linda da Stacey Jay. Vamos conhecer as histórias?



"A maior história de amor de todos os tempos é uma farsa."

 




TÍTULO: Julieta Imortal
AUTOR: Stacey Jay
EDITORA: Novo Conceito
NÚMERO DE PÁGINAS: 236 páginas
AVALIAÇÃO: 
SINOPSE: Julieta Capuleto não tirou a própria vida. Ela foi assassinada pela pessoa em quem mais confiava, seu marido, Romeu Montecchio, que fez o sacrifício para assegurar sua imortalidade. Mas Romeu não imaginou que Julieta também teria vida eterna e se tornaria uma agente dos Embaixadores da Luz. Por setecentos anos, Julieta lutou para preservar o amor e as vidas de inocentes, enquanto Romeu tinha por fim destruir o coração humano. Mas agora que Julieta encontrou SEU AMOR proibido, Romeu fará de tudo que estiver ao seu alcance para destruir a felicidade dela.









Logo que eu soube da existência desse livro, através do Skoob, eu senti que precisava dele. Não sei se já contei para vocês, mas eu sou apaixonada por William Shakespeare. E Romeu e Julieta é uma das suas histórias que está entre as minhas preferidas. Logicamente eu não podia deixar de conferir como a autora desenvolveu uma temática completamente diferente dentro da trama.

Neste primeiro livro temos a visão de Julieta, sua história, e ficamos sabendo do seu passado e da traição de Romeu, o homem que ela amava. Depois de ler a sinopse, provavelmente eu não preciso contar muito sobre a trama para vocês, mas o que eu posso dizer é que Julieta não teve uma vida fácil. E, infelizmente, isso só piorou ao longo do tempo. O livro é ambientado no século XXI, nos dias atuais, e nos mostra uma Julieta mais forte, apesar de ainda magoada e rancorosa, tentando lutar ao lado dos Embaixadores, seres que buscam proteger o amor, enquanto Romeu está agora ao lado dos Mercenários, com ideais completamente opostos. Os dois sempre se encontram em suas encarnações, e lutam, cada um a seu modo, para conquistar as almas gêmeas do mundo. A história começa quando Julieta ocupa o corpo de Ariel Dragland, uma menina complicada e de mal consigo mesma, que sente um ódio mortal por Dylan Stroud, cujo corpo é ocupado por Romeu. A partir daí eles passam por vários episódios, e sentimentos e emoções que eles ainda não conheciam vêm à tona, mudando conceitos e escolhas. Se quiserem saber o que acontece não podem deixar de ler!

Julieta Imortal não foi exatamente um surpresa para mim. Alguma coisa me dizia que o livro ia ser bom, e foi. Incrivelmente bom. Eu devorei cada página com uma vontade que há muito eu não conseguia sentir em uma leitura, e conforme ia avançando na trama mais eu me via envolvida com ela. Stacey realizou um trabalho incrível de construção de personagens. Julieta é aquela moça traída, mas que deixa suas próprias amarguras para trás (em partes) por uma causa maior, na qual ela acredita piamente. Romeu é um canalha, e muitas vezes no decorrer do livro você vai odiá-lo, assim como eu também odiei, mas conforme a história evolui você até mesmo passa a compreendê-lo. Pelo menos eu consegui isso. Ambos, tanto Romeu quanto Julieta, são personagens marcantes e bem elaborados, que despertam no leitor emoções adormecidas e sentimentos que dificilmente surgem durante a leitura de uma obra. E o mais interessante é que a autora não se ateve apenas a dar importância aos protagonistas. As personagens secundárias são trabalhadas igualmente, e tem realmente uma função na trama, o que contribui de forma significativa para o meu interesse pelo livro. Com o decorrer dos capítulos, consegue-se compreender a serventia de cada um deles para o fechamento do enredo, e até mesmo eles são caracterizados de forma minuciosa, que desperta em nós, leitores, afeições e desafetos.

Eu gostei muito da trama desse primeiro livro. A autora não perdeu muito tempo tentando contextualizar o leitor, talvez por entender que eles já conhecessem a história original. Mas, para mim, isso foi um dos pontos altos do livro. Além de não prejudicar em nada a leitura, porque são histórias completamente diferentes, ainda te dá um quê de ação desde o princípio do enredo, te mergulha diretamente na história das personagens, e não te dá tempo para pensar em mais nada. Isso contribui muito para o fluir da obra, que é maravilhosamente rápido e gostoso de se ler. Além disso, a escrita da Stacey é algo de outro mundo: com frases de efeito, sem serem repetitivas, ela consegue nos passar exatamente os sentimentos e sensações das personagens frente a situações diversas, e em muitos momentos ao longo da trama nós mesmos nos sentimos parte integrante da história, como se fôssemos melhores amigos das personagens. Compreendemos suas dores e mágoas, aceitamos suas complicações e desabafos, e entendemos perfeitamente o quanto foi difícil para eles chegar até o presente momento. Isso me deixou fascinada, nunca tinha conseguido me ligar tanto a personagens como fiz nesse livro.

A diagramação continua impecável, característica da Novo Conceito, as folhas são amareladas e a letra é deliciosamente convidativa à leitura. A capa é muito bonita também, o título em alto-relevo dá um charme a mais. Os capítulos são marcados por letras maiores, e não temos muito mais que isso quanto a detalhes. Mas com a qualidade do conteúdo, confesso que isso é completamente insignificante. Mais um ponto para a editora, a meu ver, que compreendeu que a obra por si só já era incrível demais, e não precisava de muitas minúcias decorativas para agradar ao leitor.

Eu gostei tanto do primeiro livro, que não consegui esperar e emendei logo a leitura de sua continuação, Romeu Imortal, da qual eu vou falar agora para vocês.



"Nunca é tarde para encontrar redenção através do verdadeiro amor."

     


TÍTULO: Romeu Imortal
AUTOR: Stacey Jay
EDITORA: Novo Conceito
NÚMERO DE PÁGINAS: 319 páginas
AVALIAÇÃO: 
SINOPSE: Amaldiçoado a viver por toda a eternidade em seu espectro, Romeu, conhecido por seus modos rudes e assassinos, recebe uma chance de se redimir viajando de volta no tempo para salvar a vida de Ariel Dragland. Sem saber, Ariel é importante para os dois lados, os Mercenários e os Embaixadores, e tem o destino do mundo nas mãos. Romeu deve ganhar seu coração e fazê-la acreditar no amor, levando-a contra seu potencial obscuro antes de ser descoberto pelos Mercenários. Enquanto sua sedução se inicia como outra mentira, logo ela se torna sua única verdade. Romeu jura proteger Ariel de todo o mal, e fazer qualquer coisa que for preciso para ganhar seu coração e sua alma. Mas quando Ariel se decepciona com ele, ela fica vulnerável à manipulação dos Mercenários, e sua escuridão interna poderá separá-los para sempre.


Em Romeu Imortal, Stacey fez algo que eu achei de uma inteligência sem tamanho: ela nos deu o lado de Romeu da história. No livro, Romeu foi condenado a viver pela eternidade em um espectro do que um dia foi seu próprio corpo, completamente deformado. Porém, os Embaixadores se compadecem dele, e, para ajudá-lo, propõe a ele uma missão: salvar o coração machucado de Ariel Dragland de cair nas trevas dos Mercenários. Romeu, como bom conquistador, e um tanto egoísta, acaba aceitando o desafio, visto que em troca ganharia uma vida nova ao lado dos Embaixadores e longe do corpo fétido em que se encontrava no momento. Porém, logo que se vê no corpo do garoto que Ariel mais odeia no mundo, percebe que sua missão será mais difícil do que ele imaginou a princípio. Ariel é fechada e não o deixa aproximar-se. Além disso, o corpo de Dylan dificulta ainda mais. Mas Romeu não pode desistir. Tanto faz que acaba mudando a si mesmo, muito mais do que a Ariel. E então passa a sentir algo que nunca havia conseguido antes: a esperança do amor verdadeiro.

Romeu Imortal é quase que um complemento ao primeiro livro. Já ouvi opiniões sobre ser melhor do que Julieta Imortal, mas a meu ver os dois se completam perfeitamente. Como toda história tem dois lados, essa não poderia ser diferente. Stacey teve uma sacada de gênio, e deu a Romeu a chance de ser o mocinho da história, ao mesmo tempo que nos mostrava não ser tão ruim quanto imaginávamos desde o primeiro volume da série. Se tem algo que eu admiro nos autores é isso: a capacidade de nos fazer mudar de opinião sobre um personagem, de nos fazer afeiçoar-nos a ele, e trocar completamente de lado. Foi assim que me senti ao ler Romeu Imortal.

O livro segue basicamente o mesmo estilo do primeiro. As reflexões de Romeu estão sempre presentes ao decorrer da trama, mas aqui há um diferencial que não existia antes: Ariel também narra a história, a partir de sua visão. E sim, é a mesma Ariel cujo corpo Julieta ocupou no primeiro livro. Para quem jpa leu Julieta Imortal e está se perguntando como isso é possível, a autora não deixou passar nem mesmo esse detalhe, de tão minuciosa que foram as narrativas. Mas isso é outra história. Enfim, o ponto interessante no fato de Ariel também ser narradora do livro é que nós conseguimos conhecê-la a partir da boca dela mesma, e não do que as outras personagens falam sobre ela. Entendemos seus medos e receios, e o porquê de ela ser tão fechada como é. Particularmente, Ariel foi a personagem que mais me marcou nos dois livros, principalmente devido ao destaque que ela teve no segundo volume. Ela já passou por muita coisa durante seus poucos anos de vida, mas ainda assim consegue ser forte e decidida quando necessário, característica que eu admiro profundamente na personagem.

Algo perceptível nesse livro, ainda mais que no primeiro, é a evolução das personagens ao longo da narrativa. Não só como pessoas, mas também de seus sentimentos e coragem. A partir do momento que passam a conhecer-se realmente, o livro toma outro rumo, e acompanhamos a história emocionados e completamente envolvidos, torcendo para que tudo dê certo ao final. Me dei conta de que essa é uma característica da autora: nos deixar aflitos e esperançosos ao mesmo tempo, fazer com que participemos da trama. Acho que isso é o que mais me chama atenção em sua escrita, que, por sinal, continua tão perfeita e profunda quanto no primeiro livro.

A diagramação segue simples, com um detalhe: entre um capítulo e outro, existe um pequeno episódio narrado por Julieta, o que é muito interessante, pois conseguimos saber, com isso, o que aconteceu depois do final do primeiro livro. Não perdemos partes da trama, tudo é conectado e nada é em vão, e isso foi muito importante, a meu ver. A capa segue a mesma linha da primeira, inclusive elas são bastante parecidas, com a diferença das cores: enquanto a primeira é vermelha, essa é em sua maioria azul.

Não posso dizer que Romeu Imortal me agradou mais do que Julieta Imortal, como falei anteriormente. Mas posso, sim, dizer que eu consegui compreender melhor as personagens a partir desse volume da série, e acho que nesse detalhe está todo o seu diferencial. Tudo aquilo que não teve tanto espaço na primeira narrativa, surge agora explicado, e em pormenores que te fazem ter uma outra visão da história. São livros complementares, mas com diferentes focos. Isso, a meu ver, deu um sabor especial a narrativa do segundo volume, e fez com que ela parecesse tão ou talvez até mais importante que a primeira.


Como vocês podem ver, os livros entraram com certeza para a minha lista de favoritos, juntamente com a autora: a partir de agora, quero ler até mesmo a lista de compras dessa mulher. Recentemente, a autora divulgou uma nota sobre os direitos do primeiro livro terem sido adquiridos para o cinema. Eu fiquei muito feliz com isso, fiquei imaginando uma adaptação a todo momento no decorrer da trama. Agora é segurar a ansiedade e aguardar para ver se isso se concretiza mesmo.

Recomendo muito a leitura dos livros. Vale a pena conhecer a visão que a autora abordou da clássica história do mestre Shakespeare, além de se divertir e emocionar com as peripécias das personagens. Os livros são relativamente longos, mas a leitura flui de uma maneira gostosa, e quando percebemos já chegamos a última página. Só para aguçar um pouco mais a curiosidade de vocês: poucos livros têm finais como esses. Sim, sou mal mesmo rs Depois que lerem não esqueçam de vir me contar se gostaram tanto quanto eu. Para mim, já são figurinhas carimbadas e permanentes da estante de prediletos.

Até a próxima postagem!

Beijos 

4 comentários:

  1. Você conseguiu colocar em palavras todos os sentimentos que o livro nos faz sentir! Eu tenho uma história bastante curiosa com esse livro. Eu fui a uma livraria,só acompanhar meu pai mesmo, daí a atendente da livraria me perguntou se eu gostava de ler, meio receosa eu respondi que sim. Daí ela entrou no estoque, voltou com o livro e me deu! Pronto, foi amor a primeira vista! Assim que terminei o primeiro li o segundo, e sim, como você disse passei a ver o Romeu com outros olhos. Embora eu sentisse desde o primeiro que ele não era tããão mau assim... Eu amo super essa duologia e super indico, é perfeito! E o final realmente, é de tirar o fôlego e acabar com o coração de qualquer leitor! Amei!
    Ela conseguiu construir duas histórias lindas e que se encaixam perfeitamente! Além de não ter nenhum fato do qual eu possa reclamar! Adorei tua resenha, bjokas...
    entreumlivroe-outro.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. QUE ATENDENTE LINDA! Como assim, gente? Por que uma dessas não aparece na minha frente? Mas espera, fiquei na dúvida: ela te deu de graça? O.o E sim, eu encarei Romeu com outros olhos a partir do momento que li a versão dele da história, e confesso que gostei muito mais dele no segundo livro, acho que foi super importante a autora ter dado uma chance dele se "redimir" hahaha Obrigada pelos elogios Anya, apareça mais vezes! Beijinhos <3

      Excluir
  2. Ela me deu de graça mesmo!!! hahahah Nem eu acreditei menina! Meu pai me deu uma olhada de confusão mas ficou sem reação na hora. Acho que nem ele acreditou no que estava acontecendo! kkkkkk É uma pena que não tenham mais atendentes como ela! rsrsrsr Bjos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ahh meus deuses, que inveja! Acho que essas mulheres fazem falta no mundo hahahahaha Beijos, Anya, querida!

      Excluir