[RESENHA] Bruxos e Bruxas - James Patterson e Gabrielle Charbonnet

Hey, pessoas!

Hoje eu trouxe mais uma resenha para vocês, e hoje o escolhido é um livro cheio de ação e aventura: Bruxos e Bruxas, do autor James Patterson e Gabrielle Charbonnet.



TÍTULO: Bruxos e Bruxas
AUTOR: James Patterson e Gabrielle Charbonnet
EDITORA: Novo Conceito
NÚMERO DE PÁGINAS: 286 páginas
AVALIAÇÃO: 
SINOPSE: Em pleno século XXI, os irmãos Allgood, With e Whisty são arrancados de sua casa no meio da noite e jogados na prisão, acusados de bruxaria. Vários outros jovens como eles foram sequestrados, presos e outros desapareceram. Tudo isso acontece porque o mundo foi comandado por um novo governo "Nova Ordem", que acredita que todos os menores de dezoito anos são suspeitos e que praticam bruxaria. Quem comanda a N.O é O Único Que É O Único, e seu objetivo é tirar tudo que faz parte da vida de um adolescente normal, livros, música, arte, comandar o mundo e desvendar todos os segredos da magia. Qualquer forma de protesto contra a N.O será punida com muita rigidez e tortura, até que a pessoa possa completar dezoito anos, e assim ser condenado a morte. A missão dos irmãos Allgood é livrar o mundo desse novo regime e resgatar seus pais desaparecidos. Mas será que eles conseguirão enfrentar a Nova Ordem, salvar todos dessa tortura e encontrar seus pais?

O livro conta a história de Wisteria e Withford Algood, irmãos que vivem em um mundo comandado por um governo totalitário, que se intitula Nova Ordem, controlado pelo Único que é o Único, que decide as músicas, os livros e tudo o que a população pode ter acesso. Em uma madrugada, Wisty e With são sequestrados de sua casa e separados de seus pais, sob a acusação de bruxaria. Os garotos então são levados ao Reformatório da Nova Ordem. Lá eles conhecem o inferno: passam fome, sede e são visitados por um carrasco duro que os tortura cada vez que a resposta que quer não for dada pelas crianças.

Sem saber onde estão seus pais, e longe do mundo que eles conheciam, os irmãos Algood só tem um ao outro, e às vezes, a alma da namorada de With, que o visita em sonho. Depois de alguns dias presos, eles são levados a júri, onde são condenados por bruxaria, o que os garotos acham absurdo, pois não conseguem entender como podem ser feiticeiros se não há nenhum poder dentro deles. Os dias vão passando e a situação em que se encontram os irmãos só piora. Os pertences que trouxeram de sua casa em nada tem ajudado, pois apesar de seus pais terem os considerado importantes, os garotos ainda não sabiam como usá-los.

Apesar de presos, os irmãos não deixam sua rebeldia de lado, e continuam lutando contra os inimigos que encontram lá dentro. Depois de muitos episódios estranhos, eles finalmente se convencem de que realmente são capazes de usar a magia a seu favor, e não compreendem porque seus pais nunca falaram nada disso com eles. Por causar muitos problemas no reformatório, os dois irmãos são condenados à morte pelo Único que é o Único, e sua execução marcada para o dia seguinte à sentença. Eles então são visitados por Célia, namorada de Whit, que milagrosamente consegue tirá-los da prisão e levá-los até onde ela se encontra agora: a Terra das Sombras. Lá eles conhecem um grupo de rebeldes ao regime da Nova Ordem, que estão planejando a fuga de várias crianças presas no Reformatório. Depois de hesitar, eles decidem participar do plano, por acreditarem que seus pais também estariam presos no Reformatório.

Logo eles se veem envolvidos em profecias e lutas, que nunca imaginaram ser capazes de enfrentar. Em sua busca pelas origens, e pela família, Wisty e With nos levam a uma viagem sem igual em um mundo onde ninguém é seu amigo.



O livro é dividido em três partes, e cada uma se passa em um cenário diferente. Os capítulos são narrados pelos irmãos, que se revezam para apresentar suas visões da história. Confesso que no início achei isso meio confuso, mas depois que acostumei com esse método consegui acompanhar a história, e até mesmo achar a técnica interessante, pois nos deixa perceber o lado dos dois dentro da trama. O modo como os autores escrevem a história, utilizando uma linguagem mais próxima do público, e muitas vezes usando perguntas para manter um diálogo com o leitor, me deixou com uma sensação de estar participando do enredo, o que achei incrível, pois nos faz sentir e envolver-se mais com a história.

O enredo da trama é criativo e envolvente, e é impossível não se afeiçoar a Wisty, a garotinha rebelde, e With, o garanhão da escola. Conforme a narrativa vai correndo, vamos conhecendo melhor não só a personalidade dos dois, mas também seus pensamentos, dúvidas e medos, o que nos torna praticamente íntimos das personagens. Além disso, acredito que não os autores conseguiram dividir a história de uma forma com que não só os protagonistas fossem importantes, mas sim todas as personagens. Cada uma delas tem uma função dentro da trama, e um papel essencial no desenvolvimento da narrativa. Eu acho isso incrível, pois difere o livro de um forma única o torna ainda mais especial e interessante.



A diagramação do livro merece um parágrafo à parte aqui na resenha, pois a editora realmente fez um belo trabalho com relação a isso. As letras são medianas, e não tornam a leitura cansativa. Além disso os capítulos são curtos, o que deixa a história mais fluida e de fácil compreensão. Podemos, com isso, digerir e absorver melhor os acontecimentos, que não são poucos. Existe, no centro do livro, um mapa que mostra a divisão entre a superfície e o submundo, e eu achei isso incrível, porque além de tornar a história mais real, podemos acompanhar os roteiros percorridos pelas personagens. Sem falar que o trabalho gráfico é maravilhoso. A parte mais interessante do livro, a meu ver, depois da história muito bem narrada pelos dois autores, são os trechos de propaganda da Nova Ordem, que são praticamente um bônus ao leitor ao final do primeiro volume da saga. Ali nós conseguimos ficar a par do que é ou não proibido segundo o novo governo.

Tudo contribui para que nós leitores nos sintamos dentro da trama, correndo perigo e sofrendo com os protagonistas e seus amigos. Para mim, isso é um detalhe importantíssimo dentro de um livro, pois faz com que nos apeguemos a história, e fiquemos ainda mais ansiosos com o desenrolar dela. Eu estava completamente fissurada durante a leitura do livro, e felizmente, ele correspondeu às expectativas pós-leitura que eu havia criado. As crísticas positivas sobre a saga que eu ouvi foram comprovadas, e eu agora me junto aos fãs de Patterson para louvar a capacidade dele, juntamente com Charbonnet, de nos envolver na sua narrativa e criar um mundo onde nos sintamos definitivamente em casa.


Recomendo a leitura do livro a todos aqueles que estão dispostos a se aventurar e se apaixonar por mais uma aventura, e com certeza pretendo ler os outros livros da saga, que eu espero serem tão bons quanto o primeiro. E vocês, o que acharam da leitura? Me contem nos comentários! Até a próxima postagem!

Beijos 

0 comentários:

Deixe seu comentário