[PALAVRAS SOLTAS #1]

TU É A EXCEÇÃO PARA TODAS AS MINHAS REGRAS

Era difícil descrever. A emoção que me invadiu quando me vi recostada no teu peito, escutando as batidas do seu coração se regularizando, e a respiração entrando no ritmo do sono, foi de paz. Uma paz que eu nunca havia sentido antes de ti. Uma paz que, apesar de não saber de onde vem, nem onde vai me levar, eu não queria que me deixasse nunca. 
Eu sentia que do teu lado podia ser eu mesma, falar o que quisesse, agir como bem entendesse, sem medo ou receio de não ser aceita. Ali, deitada do teu lado, esperando que o sol entrasse pela janela, e te despertasse do cochilo profundo, eu sentia crescer dentro de mim a incrível e indescritível sensação de estar mais viva do que nunca. 
E enquanto tu suspirava e virava a cabeça pro meu lado, e a encaixava no meu ombro, como se ele fosse realmente feito pra aquilo, eu finalmente encontrei um motivo pra mim. E ele tinha o sorriso mais inebriante que eu já havia visto nos meus dezessete mal-vividos anos de vida. E as covinhas mais lindas que poderiam ser imaginadas pela minha mente juvenil. E a voz mais doce e ao mesmo tempo firme possível. E as mãos mais macias do mundo, o que, comparado com o tamanho delas, era meio difícil de acreditar se eu mesma não as tivesse visto. E o melhor cheiro do mundo, um perfume que era mistura de limão com algum outro tipo de fruta cítrica que só ficava bem em ti. 
E eu senti, quando te vi abrindo os olhos pra me olhar, e os lábios pra me brindar com mais um daqueles sorrisos que te fazem perder o rumo de casa mesmo se estiver a apenas uma esquina de distância, que eu tinha enfim encontrado o meu lugar. E eu não poderia ter escolhido melhor. Eu poderia ficar nos teus braços por uma eternidade inteira, sem precisar de mais nada a não ser aquela calma que tu tinha o dom de me fazer sentir. 
Enquanto teu dedos se entrelaçavam aos meus, e os teus braços me puxavam pela cintura pra mais perto do teu corpo, e as tuas curvas se moldavam as minhas, e as nossas bocas se encontravam, nesse meio tempo eu só conseguia pensar em uma coisa: no quanto eu queria que aquele momento durasse pra sempre. E eu juro que até esqueci que o pra sempre não existe. Porque tu contraria qualquer lógica, inclusive as que eu defendi a vida toda.

0 comentários:

Deixe seu comentário